Receba atualizações de notícias ao minuto sobre os temas mais quentes com a NewsHub. Instale já.

Advogado negro relata ter sido barrado em bar por estar 'parecendo segurança'

16 de Julho de 2017 16:24
11 0

Juliano Trevisan escreveu uma carta aberta: 'parte da sociedade insiste em relutar contra as inúmeras situações passadas hoje por negros, mulheres, gays e demais grupos de minoria, insistindo em dizer que o preconceito e a discriminação hoje em dia são mimimi'.

Advogado relata ter sido barrado em entrada de bar por estar “parecendo um segurança” (Foto: Reprodução/ Facebook)

A carta aberta de um advogado negro que contou ter sido barrado em bar de Curitiba tem circulado nas redes sociais e expõe, mais uma vez, o preconceito e o racismo do dia a dia. Conforme o relato de Juliano Trevisan, ele foi impedido de entrar porque seria confundido com um segurança.

Camisa preta, calça social, sapato marrom e gravata preta. Essa foi a opção de Juliano Trevisan para sair de casa na quinta-feira (13) e participar de um evento para advogados. Em seguida, ele e os amigos decidiram ir à casa noturna. A escolha, entretanto, não foi considerada adequada pelos funcionários do James Bar.

“O funcionário me olhou dos pés a cabeça e informou que pelo meu estilo, com 'a roupa que estava usando eu não poderia entrar'. (...) Na hora a situação me chocou tanto, que fiquei bobo. Não quis discutir, não quis “acabar com minha noite e de meus amigos”, então simplesmente falei que iria embora”, contou o advogado.

No início da tarde deste domingo (16), no Facebook, mais de 7 mil pessoas haviam demostrado uma reação à situação vivida pelo advogado. Mais de mil pessoas, decidiram compartilhar a história.

O racismo não é novidade para Juliano, que é militante e, como ele mesmo diz, trabalha com situações e discriminação em vários viés. “Mas quando acontece comigo, ainda fico chocado sem ação”, confessou.

Ele contou que só quando entrou no carro para ir embora "foi que caiu a ficha".

"Me sinto humilhado, olhei mil vezes minha roupa, até entender que o problema não é minha roupa, não é meu estilo, não sou eu. E preciso sim, expor esta situação a vocês e demonstrar qual grave ela é, e o que ela representa sacialmente falando nos dias de hoje 'parecendo um segurança'".

Fonte: g1.globo.com

Partilhe nas redes sociais:

Comentários - 0