Receba atualizações de notícias ao minuto sobre os temas mais quentes com a NewsHub. Instale já.

Histórias de alegrias e dificuldades que não se vê na passarela do samba

12 de Fevereiro de 2018 20:35
83 0
Histórias de alegrias e dificuldades que não se vê na passarela do samba

Por trás das fantasias, há pessoas apaixonadas por Carnaval e que encaram as dificuldades para entrar na avenida

A voz septuagenária que hoje transforma poesia em samba cantou rock nos fins da década de 1960. “'Awop-bop-a-loo-mop alop-bam-boom', lembra dessa?”, perguntou José Carlos de Carvalho ou, simplesmente, Zé, depois de mostrar um pouco o vozeirão, dando palhinha da música Tutti Frutti, do Elvis Presley.

Zé começou cedo e continuou sempre: foi técnico de som em uma rádio de Campo Grande aos 11 anos; ainda na adolescência, fez parte da banda de rock Pedrinho e seu Conjunto; foi locutor; serviu o Exército; aos 19 anos, mudou-se para São Paulo, onde fez curso de desenhista projetista; mergulhou no samba e aí fez sua morada definitiva. “Respiro samba”, resumiu Zé, que desde 1975 está à frente da União da Vila Carvalho e, atualmente, é presidente vitalício da escola.

Com 74 anos, Zé, que trabalha com móveis planejados, continua na ativa – e muito. Vocalista do conjunto Sambalançando, ele está com CD ainda “quente do forno”, que será lançado depois da Semana Santa. Mas a atenção, agora, é para o Carnaval, especificamente para a apresentação nesta terça-feira (dia 13) da Verde e Rosa.

Leia também: Candidatos fazem concurso para PM já sonhando com mudança na carreira

Fonte: campograndenews.com.br

Partilhe nas redes sociais:

Comentários - 0