Receba atualizações de notícias ao minuto sobre os temas mais quentes com a NewsHub. Instale já.

Jovens de todo o DF fazem tapetes tradicionais de Corpus Christi na Esplanada

15 de Junho de 2017 16:20
35 0
Jovens de todo o DF fazem tapetes tradicionais de Corpus Christi na Esplanada

Cerca de 600 jovens de paróquias de todas as regiões do Distrito Federal chegaram cedo hoje (15) à Esplanada dos Ministérios, por volta de 6h30, para deixar prontos os tradicionais tapetes da celebração de Corpus Christi. Feitos com materiais como areia, sal, serragem, palha de arroz, borra de café e tinta, os tapetes têm símbolos e personagens cristãos e servirão de passagem para a procissão que marca a data. Uma missa será celebrada às 17h e a procissão ocorre em seguida, às 18h30.

“São 25 grupos de paróquias e movimentos que trabalham com a juventude em todo o DF. Os tapetes são o local onde o Cristo Eucarístico vai passar, a imagem sendo conduzida pelo arcebispo [de Brasília, Dom Sérgio da Rocha]”, explica Aloísio Parreiras, da comissão de Corpus Christi da Arquidiocese de Brasília. A expectativa da organização é que 90 mil fiéis participem da missa e procissão.

A celebração do Corpus Christi (corpo de Cristo, em latim) está relacionada ao sacramento católico da eucaristia, quando o pão (representado pela hóstia) e o vinho se transformam no corpo e no sangue de Jesus Cristo após serem consagrados pelo sacerdote.

O trabalho de confeccionar os 160 metros de tapete para dar passagem à procissão é árduo. Cada quadro tem 5 metros de comprimento por 4 metros de largura e tem detalhes minuciosos. Em uma das figuras feitas pelo grupo Juventude de Ação Mariana, que se responsabilizou por dois tapetes, o rosto de Cristo preenchido com serragem tinha de ser cuidadosamente contornado por borra de café.

O tesoureiro Jubson Feliciano da Silva, de 26 anos, integrante do grupo, que reúne jovens de paróquias de Ceilândia, Sobradinho, Asa Norte, Asa Sul e Planaltina, explicou que são necessárias cerca de cinco horas de trabalho para o tapete “ficar do jeito que a gente quer”.

“Tem em torno de 30 pessoas trabalhando nos dois tapetes. Chegamos às 7h30 da manhã”, disse Jubson, que destacou a cooperação entre os colegas durante a tarefa. “É mais a interação. As pessoas se ajudam muito. Um vai buscar água, o outro passa a ferramenta.”

E outro pedaço do tapete, jovens do grupo Recomeçar, da Paróquia de São Pedro de Alcântara, no Lago Sul, se divertiam enquanto trabalhavam. “Mesmo usando luva a gente fica com a mão suja. Mas é um trabalho para Deus, a gente fica feliz”, disse a estudante Mariana Rizzo dos Santos, de 16 anos. “Nem precisa de muita gente, mas quanto mais, melhor”, acrescentou Lucas Ribeiro, 17 anos.

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Partilhe nas redes sociais:

Comentários - 0