Após acidente em usina, vazão nas Cataratas do Iguaçu cai pela metade

17 de Abril de 2015 18:40

4 0

Após acidente em usina, vazão nas Cataratas do Iguaçu cai pela metade

Volume de água no início da tarde chegou a 839 mil litros por segundo.Curto circuito em dois transformadores causou vazamento de óleo no rio.

A suspensão da produção de energia na Usina Hidrelétrica Governador Ney Aminthas de Barros Braga - antiga Salto Segredo -, em Mangueirinha, no sudoeste do Paraná, teve reflexos também na vazão das Cataratas do Iguaçu. No início da tarde, passavam pelas quedas o equivalente a 839 mil litros de água por segundo, quase a metade do volume médio de 1,5 milhões de l/s.

Segundo a assessoria de imprensa da Companhia Paranaense de Energia (Copel), a suspensão foi determinada em função do acidente que aconteceu na madrugada de quarta-feira (15), quando um curto circuito em dois transformadores provocou um vazamento de óleo. A medida foi tomada para evitar que o produto se espalhasse. A previsão é que ainda nesta sexta uma das unidades geradoras volte a operar por cerca de duas horas.

Barreiras de contenção instaladas nas proximidades da barragem ajudaram a impedir um derramamento maior, mas cerca de mil litros chegaram ao rio. Equipes estão fazendo a limpeza e a estimativa é que o trabalho seja concluído ainda nesta sexta. Desde o acidente, a usina está turbinando somente o mínimo recomendado para manter o fluxo de água que deve chegar às outras três hidrelétricas abaixo de Salto Segredo.

A assessoria informou que a usina deve estar apta a atender a demanda solicitada pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) – bem menor durante os fins de semana e feriado - “nos próximos dias”.

Recordes A última seca nas Cataratas do Iguaçu foi registrada no fim de outubro de 2014, quando o volume chegou a um sexto do normal, com 240 mil l/s.

Já as enchentes são registradas com mais frequência nos meses de junho e julho. No dia 9 de junho de 2014, as chuvas fizeram o atrativo estabelecer um novo recorde de vazão com a marca de 46,7 milhões de l/s, mais de 30 vezes acima da média.

Fonte: g1.globo.com

Para página da categoria

Loading...