Drones vestíveis tendem a aproximar ainda mais a moda da tecnologia

13 de Março de 2015 20:54

5 0

Imagine um drone elegante, no formato de lâminas, pendurado em seu colar. Com as primeiras gotas de chuva, o aparelho se desprende e sobrevoa sua cabeça, girando velozmente para que você não se molhe.

Ou então, imagine uma pulseira equipada com um aparelho parecido com um disco de hóquei, que decola para lhe mostrar o caminho se você se perder. E, se você não ligar em andar por aí com uma almofadinha circular no ombro, pense em um filtro capaz de pairar em frente à sua boca, automaticamente, caso os níveis de poluição atmosférica aumentem.

Essas noções futuristas de drones de vestir -- que, embora estejam a anos de se tornar realidade, fariam com que o Apple Watch parecesse um Timex do tempo dos Beatles -- foram idealizadas na Frog Design Inc.

Elas serão alguns dos assuntos discutidos no festival South by Southwest Interactive, em Austin, Texas, de 13 a 17 de março, que neste ano estreará o tema Fashion Wearable Tech (Moda e Tecnologia de vestir, em tradução livre) para explorar os vínculos entre moda, arte, cultura e tecnologia. À medida que os aparelhos se tornam menores e a fabricação fica mais barata, a moda de ficção científica se aproxima da realidade.

"Aos poucos, estamos chegando a um ponto em que a tecnologia poderá cumprir as promessas feitas pelos autores de ficção científica", disse Roger Entner, analista da Recon Analytics LLC, em uma entrevista. "Estamos observando os primeiros passos. Estamos na etapa em que a realidade acompanha a imaginação".

South by Southwest, que começou como um festival de música popular, estima que 33.000 pessoas participarão da conferência SXSW Interactive neste ano. Fashion Wearable Tech oferecerá quase 70 sessões e eventos, com palestrantes de startups de comércio móvel, como Wanelo e Tinker Tailor, assim como a fabricante de processadores Intel Corp.

"Nos últimos anos, houve uma grande participação de pessoas do mundo da moda e da tecnologia", disse Kelly Krause, assessora de imprensa da conferência, em uma entrevista. "Era lógico tornar isso maior e mais oficial".

O interesse está sendo alimentado pelo lançamento comercial de aparelhos de vestir de alto perfil, como o Apple Watch, que deve chegar às lojas em abril, e pelo burburinho em relação a curiosidades como a Nixie, uma câmera que também funciona como uma pulseira e que paira no ar para tirar fotos. Estilistas e artistas também criaram vestidos que brilham no escuro e sapatos equipados com microprocessadores GPS que são ativados ao bater os calcanhares.

Embora os drones de vestir ainda tenham um longo caminho pela frente antes de chegar às lojas, novas tecnologias de fabricação, como a impressão 3D, já chegaram às passarelas. Uma palestrante, a estilista Pauline van Dongen, falará sobre o uso dessa tecnologia para criar novos tipos de roupas.

"Muito se fala que a impressão 3D revolucionará a indústria da moda", disse van Dongen em uma entrevista. "Mas, para preparar a impressão 3D para a indústria da moda, precisamos analisar os aspectos práticos: qual a sensação no corpo? Como ela se mexe? Como ela se comporta?".

Ela utilizou essa tecnologia para fabricar uma manga que muda de aparência ao movimentar os braços. A estilista também vem testando roupas equipadas com painéis solares, capazes de recarregar aparelhos eletrônicos pessoais.

A Frog, cujos projetos foram utilizados no Walkman e no computador Apple IIc, está buscando parceiros para transformar os protótipos de seus drones de vestir em realidade. O designer Adam Pruden, da Frog, que apresentará uma palestra sobre moda que voa alto no SXSW, disse que os drones são o futuro e vão substituir os celulares existentes hoje.

"Comecei pensando sobre como seria a era pós-smartphone", disse Pruden. "Se os drones substituíssem os smartphones, eles teriam que interagir com nossos corpos ? e a melhor forma seria que estivessem anexados a nós".

O mercado de eletrônicos de vestir, que inclui joias, cintos, tecidos e calçados, superará US$ 70 bilhões em 2024, em comparação com mais de US$ 14 bilhões neste ano, de acordo com a ID TechEx.

"Estamos começando a adicionar tecnologia às roupas, aos tecidos, aos relógios", disse Pruden. "A moda é a nova interface".

Fonte: tecnologia.uol.com.br

Para página da categoria

Loading...