Investigação sobre morte de Gabriel em Viçosa está avançada, diz polícia

13 de Março de 2015 20:29

5 0

Investigação sobre morte de Gabriel em Viçosa está avançada, diz polícia

A única informação autorizada nesta sexta-feira (13) é de que estão previstos os depoimentos dos seguranças e organizadores da festa em que Gabriel estava antes de morrer. Até a publicação desta matéria, conforme a assessoria da Civil, as testemunhas ainda não tinham sido ouvidas.

Entenda o caso O adolescente desapareceu depois de uma festa de calouros da Universidade Federal de Viçosa (UFV), realizada em um sítio de Viçosa, na última sexta-feira (6). O corpo de Gabriel foi localizado na segunda-feira (9), dentro de uma vala em uma área experimental que pertence à UFV, próxima à BR-120.

A festa de recepção era promovida pela República Qkické. De acordo com familiares, ele saiu de casa, em Ponte Nova, para encontrar uma suposta namorada para ir ao evento.

A UFV informou que a responsabilidade da recepção é dos organizadores do evento. Em nota assinada por Lucas Marilton, a organização da festa explicou que soube do desaparecimento pelas redes sociais e que estava colaborando com as investigações. Marilton também informou que a festa foi monitorada pela PM da cidade e que o adolescente usou documento falso para entrar na festa.

De acordo com o Boletim de Ocorrência, o Conselho Tutelar foi à casa da namorada após o registro do caso. Ela disse à equipe que esteve com o adolescente na festa e que ele teria feito uso de drogas e bebida alcoólica sem moderação. Ela contou que foi embora e o deixou na festa após discutirem. Contudo, dias depois, a suposta namorada mudou a versão.

De acordo com relato da mãe dele ao MGTV, Sayonara Oliveira Maciel, ela havia o proibido de ir à festa. Segundo ela, Gabriel saiu de casa dizendo que não iria ao evento, mas apenas encontrar a suposta namorada. "Então eu fui dormir tranquila. Ele me disse que voltaria no primeiro horário de ônibus porque tinha cursinho às 10h. Às 7h eu comecei a ligar para ele, o telefone chamava e não atendia. Depois houve um retorno do celular dele para mim. Eu só ouvi um gemido. Eu liguei várias vezes depois até o celular dele descarregar", contou.

Leia também: Após seis meses internado, Arlindo Cruz ainda não tem previsão de receber alta

Fonte: g1.globo.com

Para página da categoria

Loading...