Em MT, presidente da Associação das Travestis denuncia espancamento

23 de Novembro de 2013 18:24

44 0

Em MT, presidente da Associação das Travestis denuncia espancamento

Após receber atendimento médico, Lilith Prado procurou a polícia. Ela foi agredida por dois casais com golpes de barra de ferro.

Presidente da Associação das Travestis de Mato Grosso, Lilith Prado, de 35 anos, denunciou ter sido vítima de agressão por parte de dois casais, quando estava em uma rua na frente de um motel na região do Zero Quilômetro, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, neste sábado (23). Ela disse que estava sentada quando os casais em um carro de passeio, de cor preta e vidro fumê, se aproximaram e uma mulher lhe deu um golpe com uma barra de ferro.

Com o golpe, ela caiu no chão e logo que se levantou os homens que estavam no carro desceram e começaram a sessão de espancamento, segundo Lilith. "Me bateram bastante, principalmente na cabeça. Uso uma peruca loira e, quando me agrediam, ela [peruca] caiu e as mulheres falaram: Podem soltá-la, a peruca tem mais valor", contou. Antes disso, ela afirmou que o carro tinha passado no local momentos antes para "analisar a situação" e ver se não tinha polícia por perto.

Ela avalia que, para os criminosos, é mais fácil roubar as travestis que as garotas de programa que ficam na região, considerada a maior zona de prostituição do estado. "As mulheres não usam bolsas e nem perucas", pontuou. Conforme a presidente da associação, esse tipo de roubo, com agressão às travestis, começou a ser frequente naquela região há cerca de dois meses.

Após o espancamento, ela foi levada a um hospital particular de Cuiabá, onde recebeu atendimento. Depois, ela foi até a Central de Flagrantes de Várzea Grande denunciar o crime à Polícia Civil. Ela deve passar por exame de corpo de delito que deverá comprovar as lesões causadas pelos agressões, que ainda não foram identificados.

Nos últimos dois meses, de acordo com Lilith, 19 travestis já foram vítimas de roubo semelhante. Preocupada com a insegurança delas, ela disse ter procurado o Comando Regional da Polícia Militar de Várzea Grande, que, segundo ela, garantiu maior policiamento na área. "Quando nós pedimos socorro, eles ignoram e fecham o vidro do carro", declarou.

O presidente da ONG Livremente, Clóvis Arantes, avaliou que a agressão contra Lilith é resultado da falta de políticas públicas voltadas para os homossexuais e da insegurança na região do Zero Quilômetro. "O estado continua não protegendo as pessoas que têm outra orientação sexual diferente da heterossexual".

Fonte: g1.globo.com

Para página da categoria

Loading...