Receba atualizações de notícias ao minuto sobre os temas mais quentes com a NewsHub. Instale já.

Mano aponta dificuldade no primeiro tempo e diz que Cruzeiro perdeu na hora certa

20 de Abril de 2017 02:10
30 0
Mano aponta dificuldade no primeiro tempo e diz que Cruzeiro perdeu na hora certa

Técnico reconheceu boa partida do Tricolor no Mineirão, mas destacou jogo de 180 minutos feito pela equipe celeste na Copa do Brasil

O Cruzeiro perdeu a invencibilidade em 2017 ao ser derrotado pelo São Paulo por 2 a 1, no Mineirão, mas se classificou para as oitavas de final da Copa do Brasil graças à vitória por 2 a 0 na partida de ida, quinta-feira passada, no Morumbi. Ao avaliar o resultado, o técnico Mano Menezes apontou um primeiro tempo complicado para sua equipe, viu evolução na segunda parte e destacou que o revés cruzeirense no 23º jogo do ano ocorreu no momento certo.

“O primeiro tempo sim (foi complicado). O São Paulo fez grande jogo nos primeiros 30 a 35 minutos. Não conseguimos marcar e encaixar a marcação. Corremos muito e tivemos disposição, mas faltava um posicionamento diferente. No fim do primeiro tempo a gente já conseguiu trazer Rafinha para dentro e encaixar no Cícero, pois estava sobrando um homem no meio-campo. No segundo tempo nos posicionamentos melhor. O São Paulo, mesmo com a bola, não conseguia chegar da mesma forma que no primeiro tempo. Eles tiveram méritos, a gente corrigiu, mas o jogo é de 180 minutos. No ano passado fomos eliminados pelo Grêmio perdendo na ida por 2 a 0 e fazendo bom jogo na volta, mas não fomos capazes de reverter a situação. Dessa vez aconteceu o inverso. A equipe foi madura no segundo tempo, conseguiu fazer o gol de empate, sofreu um gol em impedimento – mas é do jogo, os lances também são difíceis. Se tivesse que acontecer derrota, melhor que fosse derrota com classificação. Foi o que a gente fez”, comentou o treinador, em entrevista coletiva depois da partida.

O Cruzeiro começou o jogo no Mineirão com muitos erros na saída de bola. O São Paulo, por sua vez, aproveitou o ímpeto e pressionou. Fez 1 a 0 com Lucas Pratto, aos 14min, e poderia ter ampliado em outra finalização do argentino, que acertou a trave direita de Rafael. A Raposa só foi levar perigo à meta adversária aos 35min com o uruguaio Arrascaeta.

Leia também: Messi diz que Argentina vai se fortalecer com drama e espera paz na seleção

No segundo tempo, Mano Menezes ajustou a marcação e o Cruzeiro sofreu menos na partida. Aos poucos, se soltou e conseguiu o empate em cobrança de falta de Thiago Neves, aos 14min do segundo tempo. E até criou situações para virar, como nas conclusões de Diogo Barbosa e Rafinha. Mas o São Paulo passou novamente à frente com o atacante Gilberto, que estava em posição de impedimento ao se aproveitar de falha da defesa celeste após cobrança de escanteio.

Mano não escondeu que gostaria de obter a vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil com vitória, porém reforçou a posição de que é praticamente impossível permanecer por tanto tempo sem ser batido. “Não é bom perder, mas se tiver que perder, que seja de 2 a 1, com um resultado de um gol de diferença e conseguindo a classificação. E diminui a coisa que passa a se tornar um fardo. Não é normal uma equipe passar tanto tempo sem perder e não somos imbatíveis a ponto de não ter merecido perder essas partidas que não perdemos”.

O sorteio que definirá o próximo adversário do Cruzeiro na Copa do Brasil acontecerá nesta quinta-feira, às 12h, na sede da CBF, no Rio de Janeiro. A Raposa só poderá enfrentar um dos representantes do Brasil na Copa Libertadores.

Antes de pensar no torneio nacional, o clube celeste volta as atenções para o Campeonato Mineiro. O adversário de domingo, às 18h, no Mineirão, é o América. Os clubes se enfrentam pelo jogo de volta das semifinais. Vice-líder da primeira fase, o time azul precisa de um empate para avançar à decisão, já que o duelo de ida, no Independência, também terminou empatado (1 a 1).

Leia também: Vasco 1-0 Botafogo: novos desafios, antigos problemas

Fonte: mg.superesportes.com.br

Partilhe nas redes sociais:

Comentários - 0